Friday, November 18, 2005

Egoque ipse multa quae nesciebam scribendo me didicisse confitear.

O título deste post é uma observação de Santo Agostinho em seu livro sobre a Trindade. Comentarei tal observação em futura mensagem. As idéias do genial bispo de Hipona são muito parecidas com as "descobertas" registradas po David Carraher em seu blog em 2003. Transcrevo aqui o que disse meu amigo David:

Eu penso que escrever minhas idéias não é apenas um registro dos meus pensamentos. Esse ato faz com que minhas idéias fiquem mais á mão e mais fáceis de serem entendidas (por mim mesmo). Com o tempo, meu próprio pensar se beneficia por causa da existência de representações externas. Tudo isso me ajuda a: ter uma visão geral, ponderar, refinar o pensamento, reconsiderar, reorganizar. Me ajuda a compartilhar e a receber feedbacks.

Escrever sumários é um modo de melhorar as idéias. Você recebe os benefícios da palavra escrita. Mas não é só isso. Ganha-se algo novo.

Eu sempre escrevo sumários para entender as idéias e estrutura de um documento.Pode ser algo que escrevi. Pode ser algo escrito por outros. Ao fazer isso, eu me vejo pensando:

Essa idéia cabe aqui? É essa uma evidência para algo que vai ser dito à frente? Isso precisa ser mostrado mais à frente, no capítulo sobre dados, em vez de ser algo subentendido na introdução? O que pode acontecer se alguém não aceitar a análise exaustiva? Há outras interpretações possíveis? Se sim, onde elas deveriam aparecer?

0 Comments:

Post a Comment

<< Home